15 de janeiro de 2024 #ChileGlobal #ChileSustainable

Alguns dias antes do Ano Novo Chinês, a mídia asiática ficou sabendo do processo de exportação das cerejas chilenas.

Configurações de acessibilidade

No próximo dia 10 de fevereiro é comemorado o Ano Novo Chinês, um evento que envolve uma série de atividades, bem como um longo período de férias, no qual muitos aproveitam a oportunidade para visitar suas famílias e amigos em outras cidades, onde as cerejas chilenas são as grandes convidadas para compartilhar, dar presentes e também expressar bons desejos para o próximo ano.

Foi nesse contexto que a Frutas de Chile e seu Comitê de Cerejas, juntamente com a Fundación Imagen de Chile, organizaram uma visita da mídia chinesa para apresentar o processo de exportação de cerejas, bem como a alta tecnologia e o compromisso com a sustentabilidade da indústria de frutas chilena.

"Acreditamos que esse trabalho conjunto é fundamental para posicionar a imagem do Chile e de suas frutas no mundo, especialmente na China, o principal mercado da Ásia para nossas exportações, o principal mercado para nossas cerejas e o segundo maior mercado em termos de volume globalmente. Iván Marambio, Presidente da Frutas de Chile.

Na ocasião, eles visitaram as instalações da Verfrut, especialmente devido ao interesse despertado pela recente inauguração de sua usina fotovoltaica flutuante na propriedade Quilamuta, na região de O'Higgins, que é uma das maiores do cone sul e graças à qual a energia é fornecida para grande parte do processo de produção, como irrigação e exportação da usina (embalagem). Eles também puderam ver o carregamento de cerejas em um dos Cherry Express no Terminal Internacional de Puerto de San Antonio (STI).

A atividade foi liderada pelo presidente da Frutas de Chile, Iván Marambio, e pela diretora executiva do Comitê Cereja, Claudia Soler, poucos dias antes de viajarem para uma intensa agenda de atividades na China, Taipé Chinês e Coreia do Sul. "Passamos um dia inteiro acompanhando um importante grupo da mídia chinesa, com escritórios no Chile, em uma atividade organizada pela Fundación Imágen de Chile e coordenada pela Frutas de Chile. Acreditamos que esse trabalho conjunto é fundamental para posicionar a imagem do Chile e de suas frutas no mundo, especialmente na China, o principal mercado da Ásia para nossas exportações, o principal mercado para nossas cerejas e o segundo maior mercado em termos de volume globalmente", disse Marambio.

Claudia Soler comentou: "Estamos muito esperançosos sobre como será essa temporada, pois ela teve um início um pouco difícil devido às condições climáticas que afetaram nosso país, o que de alguma forma afetou a produção das variedades mais precoces e também atrasou nossa colheita. As semanas de pico foram as semanas 51 e 52, portanto, devemos esperar que os maiores volumes de exportação de cerejas cheguem principalmente à China a partir de 15 de janeiro, onde implementaremos as ações de nossa campanha promocional com maior força, porque, embora já tenhamos começado com nossa campanha, ainda não atingimos os maiores volumes, onde as maiores ativações estão sendo feitas no varejo, plataformas on-line, mercados atacadistas, lojas especializadas e em outras áreas variadas para cobrir com nossas ações".

A profissional acrescentou que, até o momento, mais de 300.000 toneladas foram exportadas, com uma queda de quase 20%, mas até o final do mês o número deve ser maior e refletir melhor a temporada. "Estamos em uma temporada que está atrasada de 10 dias a duas semanas, portanto, devemos esperar que essa queda diminua", disse ela.

Visita à Cherry Plant

A turnê começou nas instalações da Verfrut, localizadas na região de O'Higgins, onde a imprensa pôde observar a alta tecnologia e as inovações implementadas por esse setor nacional.

Com relação às expectativas para esta temporada, Luigi Sigala, Gerente de Mercado da Ásia da Verfrut, comentou: "Como empresa, estamos otimistas porque crescemos. No ano passado, produzimos 1,5 milhão de caixas e, neste ano, produziremos 2,2 milhões e 200 mil caixas de cerejas. Mas, em geral, o setor foi atingido pelas chuvas, o que também nos afetou. Estimávamos produzir entre 2,5 milhões e 3 milhões e, finalmente, estamos estimando 2 milhões e 200 mil caixas. Em geral, os preços estão bons, estamos vendo-os estáveis e a fruta está chegando bem, o que é o mais importante. Se a fruta chega em más condições, é uma tragédia, porque ela nos atinge. Eles não compram de você, pagam menos, então o importante é que a fruta chegue bem, que haja um foco na qualidade".

Ele acrescentou: "Enviamos de 70% a 80% para a China e de 20% a 30% para os EUA.

Patricio Cáceres, gerente de produção da fábrica de processamento de cerejas, nectarinas, uvas e kiwis da Verfrut, falou à mídia, enfatizando que "as etapas mais importantes na fábrica de cerejas é que, para garantir sua qualidade, é importante que a fruta seja preservada rapidamente do campo até a fábrica, ou seja, temos que fazer um esforço para tornar o processo o mais curto possível, desde a colheita até a chegada à fábrica. Para dar suporte a todo o processo, temos pessoas que conhecem seu trabalho, apoiadas por máquinas de alta tecnologia para classificar e limpar a fruta, entre outras coisas".

Visita à usina fotovoltaica flutuante

A instalação tem uma capacidade instalada de 1.090 kWp e está localizada na fábrica da Verfrut em Quilamuta. Seu objetivo é fornecer energia limpa para o autoconsumo das operações da empresa, apoiando a meta de promover processos mais sustentáveis na produção, embalagem, exportação e comercialização de frutas frescas.

Quilamuta é a maior fazenda do grupo no Chile, com 2.735 hectares de terra, dos quais 682 hectares são produtivos, enquanto outros 1.800 hectares são usados para conservação da natureza. Além do uso de energia limpa, a compostagem também é realizada e duas áreas foram reservadas para coleta e reciclagem de resíduos. Em 2020, foram instalados painéis solares em terra e, em 2023, foi iniciada a maior usina no cone sul, além de uma segunda usina localizada no campo de La Cabaña.

A usina como um todo é composta por 1.998 painéis solares localizados em 2.493 flutuadores que os mantêm acima da água da represa, cobrindo uma área total de 8.260 metros quadrados. Enquanto isso, 8 inversores de energia são responsáveis por coletar a energia gerada para convertê-la em corrente alternada, que é injetada diretamente para o consumo do Fundo Quilamuta.

"Ao instalar a usina solar na represa, o espaço é otimizado. Além disso, os painéis solares sobre a água produzem um efeito de tenda que evita consideravelmente a perda de água por evaporação. Isso ajuda a proteger o recurso e a enfrentar melhor a escassez de água", disse Andrés Marambio, gerente do Fundo Quilamuta.

Porto: Cherry Express

O porto de San Antonio é a principal porta de entrada para as frutas frescas chilenas e, nesta temporada, está movimentando cerejas, para as quais o tempo é essencial. "É uma corrida contra o tempo para chegar à China", afirmam os gerentes do STI, onde os trabalhadores estão se unindo à indústria da cereja no período de colheita para chegar em tempo recorde às mesas dos consumidores do país asiático, o melhor cliente para essa fruta cultivada no Chile, o país mais meridional do mundo.

"Trabalhamos com 15 'Cherry Express', que são navios que modificam sua rota para chegar no menor tempo de trânsito aos portos asiáticos de Xangai, Guangzhou, Dalian, Hong Kong, entre outros", disse o gerente geral do San Antonio Terminal Internacional (STI), Rodrigo Galleguillos.

"Preparamo-nos durante todo o ano com as autoridades portuárias, a logística, os produtores e somos absolutamente flexíveis, porque os contêineres refrigerados com frutas precisam estar no porto no menor tempo possível, para que o produto ganhe qualidade e chegue nas melhores condições ao seu destino", afirmou Galleguillo com orgulho.

Por fim, o profissional destacou a importância do trabalho conjunto com os exportadores: "Trabalhamos em coordenação com os exportadores para que as cerejas cheguem a tempo e em forma ao seu destino. Este ano encerraremos a temporada com um volume de transferência estimado superior ao do ano passado e já estamos nos preparando para a próxima temporada, quando teremos um total de 2.334 conexões após um investimento de cerca de US$ 15 milhões".

Veja o artigo original e a galeria de imagens no site da Frutas de Chile.

Outras notícias relacionadas
15 de fevereiro de 2024 #SustainableChile
13 de fevereiro de 2024 #ChileGlobal #ChileSustentável

Boletim informativo

Imagem do Chile