8 de junho de 2023 #ChileSustentable

Dia Mundial dos Oceanos: "Respondemos a alguns problemas científicos muito antes das grandes potências, fornecendo conhecimento com impacto global".

Configurações de acessibilidade

O oceanógrafo de renome internacional Osvaldo Ulloa, que liderou um feito de repercussão global com a descida a uma profundidade de 8.000 metros na Fossa do Atacama, garante que o Chile esteve à frente das grandes potências científicas ao fornecer conhecimento de impacto global. 

Os oceanos desempenham um papel fundamental para a vida: fornecem quase metade do nosso oxigénio, capturando um terço do carbono que emitimos para a atmosfera. Por esse motivo – e muito mais – o Dia Mundial dos Oceanos é comemorado todo dia 8 de junho, para unir a humanidade em torno de um projeto sustentável que protege a biosfera marinha, um recurso fundamental para combater a crise climática.

O Chile promulgou a Política Nacional Oceânica em 2018, que foi ratificada em novembro de 2022 pelo atual governo por meio de um documento de implementação, assinado pelas pastas de Relações Exteriores, Defesa, Meio Ambiente, Economia, Ciência e Marinha do Chile. 

Isto, enquanto através da Política Externa Turquesa – eixo prioritário na estratégia multilateral liderada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros – nos próximos dias o Tratado dos Oceanos assinado há um ano pelo Canadá, Estados Unidos e Estados Unidos será depositado na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque. EUA, México, Colômbia e Chile, para a criação de um corredor de proteção marinha. Nesse contexto, durante sua última conta pública, em 1º de junho, o presidente Gabriel Boric destacou que o Chile já apresentou sua candidatura para se tornar a sede do tratado na ONU.

De sua residência em Plymouth, no Reino Unido, o proeminente oceanógrafo Osvaldo Ulloa acompanha esses movimentos, embora peça uma rápida passagem das intenções à ação.

"Acho muito importante que o Chile, por meio do Itamaraty e da Política Externa Turquesa, seja protagonista no cuidado dos oceanos no cenário internacional. Mas tem um velho ditado que diz: 'você não cuida do que não sabe e não quer...'. Devemos continuar a explorar e estudar o oceano e, ao mesmo tempo, transmitir à sociedade a sua importância e as maravilhas que ele encerra".

Liderança latino-americana do Chile

Doutor em oceanografia e mestre em Biologia Marinha pela Universidade de Dalhousie (Canadá), pós-doutorando no Instituto Niels Bohr da Universidade de Copenhague (Dinamarca), diretor do Instituto do Milênio de Oceanografia, professor titular do Departamento de Oceanografia da Universidade de Concepción e membro da Academia Chilena de Ciências, hoje Osvaldo Ulloa está no Reino Unido após receber a importante Royal Society Wolfson Visiting Fellowship. pelo qual tirou um ano sabático.

"Como sociedade, aos poucos estamos percebendo a importância do oceano para o nosso presente e, sobretudo, para o futuro", diz. E embora afirme que ainda há um longo caminho a percorrer – "como país continuamos a virar as costas ao mar", diz –, destaca ainda que, a nível científico, o Chile é hoje mundialmente reconhecido como líder latino-americano em Oceanografia, liderando um dos mais importantes rankings internacionais, o Academic Ranking of World Universities, mais conhecido como ranking de Xangai. 

"Isso é muito louvável porque a oceanografia é uma disciplina relativamente nova no Chile e, além disso, é cara, porque requer navios, instrumentos especializados, etc. Apesar disso, conseguimos acompanhar potências econômicas como Brasil e México. Tudo isso graças ao esforço local, primeiro do Conicyt, e por meio da Iniciativa Científica do Milênio, e agora da Agência Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento (ANID) do Ministério da Ciência, Tecnologia, Conhecimento e Inovação. Também devido à contribuição da extinta Fundação Andes. Conseguimos responder a problemas científicos muito antes das grandes potências, contribuindo a partir do nosso território com conhecimento de impacto global".

Em 2018, o pesquisador liderou um dos maiores feitos da ciência oceanográfica: a exploração da Fossa do Atacama, o lugar mais profundo do Pacífico Sudeste. Por meio de um veículo autônomo não tripulado – o Audacia – a equipe liderada por Ulloa posicionou os chilenos como os primeiros seres humanos a conquistar o ponto mais profundo do nosso mar. Um marco de repercussão global, que determinou que em 2022 eles fossem convidados a participar da primeira expedição tripulada no local. 

"Há muito interesse internacional em vir trabalhar no Chile, tanto da comunidade oceanográfica quanto geofísica. Os resultados preliminares de nossas primeiras expedições estão mostrando que a Fossa do Atacama é um lugar único, com alta diversidade biológica e endemismo (espécies nativas). Mostramos ao mundo que temos capacidade para desenvolver pesquisas."

Aqui, a uma profundidade de 8.000 metros, em um dos ambientes mais extremos e desconhecidos do planeta, onde a luz não penetra mais do que algumas centenas de metros, com temperatura abaixo de 2 graus Celsius e pressão hidrostática 800 vezes maior que na superfície, a equipe liderada por Osvaldo Ulloa instalará em breve o Observatório Integrado do Oceano Profundo (IDOOS, Isso nos permitirá medir o deslocamento vertical do fundo do mar como resultado da colisão da placa de Nazca com a placa sul-americana, permitindo o estudo da origem de grandes terremotos e tsunamis, e outros processos oceanográficos no mar profundo e ultra-profundo do Chile. Também nos ajudará a encontrar grandes respostas para as alterações climáticas. 

A exploração científica da Fossa do Atacama continuará em 2023 no navio Abate Molina, do Instituto de Desenvolvimento da Pesca (IFOP). Osvaldo Ulloa descreve o feito: "Vamos colocar sensores de pCO2 nas âncoras (neste momento até 4000 metros) para ver, entre outras coisas, a rapidez com que o aumento do CO2 atmosférico (a principal causa das alterações climáticas) está a penetrar no oceano profundo. Também a longo prazo podemos ver mudanças na temperatura e correntes. Mais do que respostas, o que buscamos nesta fase é entender como funciona o oceano profundo e como ele está sendo impactado por fenômenos que ocorrem na superfície."

Outras notícias relacionadas
03 de maio de 2024 #SustainableChile
May 03, 2024 #SustainableChile #Columns
02 de maio de 2024 #SustainableChile

Boletim informativo

Imagem do Chile