30 de janeiro de 2024 #SustainableChile

O Chile e seus céus, na vanguarda do estudo do universo

Configurações de acessibilidade

O Observatório Vera C. Rubin Observatory é um dos principais projetos que permitirá ao Chile concentrar mais de 50% da capacidade astronômica mundial até 2030. Ele abrigará a maior câmera digital do mundo. 

Nosso país é conhecido por ter um dos melhores céus para pesquisas astronômicas. O Oceano Pacífico e a Cordilheira dos Andes significam que os céus do norte têm menos nuvens em grandes altitudes, a atmosfera não é muito turbulenta e o clima é muito seco. 

Fazer ciência astronômica de classe mundial. Esse é o objetivo e o legado que o Chile vem desenvolvendo em mais de 60 décadas de exploração do universo, que continua - ano após ano - se renovando e se fortalecendo. Um exemplo disso é que o primeiro observatório de escala mundial instalado no país, o Cerro Tololo, que começou a ser testado na década de 1960, foi inaugurado em 1976 e atualmente é um dos observatórios de maior impacto no mundo, medido pelo número de publicações científicas que gera.

Atualmente, o Chile é a base de telescópios de mais de 30 países e abriga os "telescópios gigantes" que pretendem mudar completamente a forma como estudamos o universo. De acordo com projeções da Sociedade Chilena de Astronomia(Sochias), nosso país será responsável por cerca de 55% da capacidade astronômica mundial até 2030.

A Imagen de Chile visitou três telescópios na região de Coquimbo com a imprensa estrangeira para conhecer suas inovações e saber por que o Chile está na vanguarda da exploração astronômica.

"Céus imaculados" e condições sociais, políticas e econômicas

Nosso país é conhecido por ter um dos melhores céus para pesquisas astronômicas. O Oceano Pacífico e a Cordilheira dos Andes significam que os céus do norte têm menos nuvens em grandes altitudes, a atmosfera não é muito turbulenta e o clima é muito seco. 

"As condições naturais do Chile, seus céus imaculados, sua atmosfera cristalina, mas, acima de tudo, suas condições sociais, políticas e econômicas que foram concedidas por todos os governos e pela população chilena. Essas condições são muito favoráveis e muito estáveis ao longo do tempo, o que significa que esses grandes investimentos feitos por países do hemisfério norte continuam a ser feitos em nosso país, com uma visão de longo prazo, porque temos certeza de que o Chile continuará a oferecer essas condições no futuro", diz Alejandra Voigt, diretora da AURA, o consórcio que constrói e gerencia instalações de telescópios ópticos terrestres de classe mundial para a Fundação Nacional de Ciências dos EUA (NSF).

A "Ferrari dos telescópios

A AURA gerencia, entre outros, o Observatório Vera C. Rubin Observatory, localizado no Cerro Pachón e que deverá entrar em operação em 2025. Apelidado de "Ferrari dos telescópios", o Vera Rubin terá a maior câmera digital já construída para a astronomia: pesa quase 2.800 quilos e terá 3.200 megapixels. Para efeito de comparação, a câmera do Cerro Tololo tem 520 megapixels. 

Assim, com um espelho de 8,4 metros, o Vera Rubin criará um campo de visão excepcionalmente grande e poderá mapear o céu inteiro a cada 3 ou 4 noites para detectar mudanças. Será possível capturar todo o céu visível, equivalente à área de 40 luas cheias em uma única imagem. 

"É um observatório que não tem concorrência em todo o mundo, é único, tem uma grande missão para a ciência: entender como o universo funciona em um sistema dinâmico, porque o universo se move. Os outros telescópios podem tirar fotos de um pedaço do céu. Com o Rubin, você vai tirar fotos de todo o céu a cada três dias e, com essas imagens, é como ter um filme do universo e, com isso, podemos entender como o universo funciona", diz Stuartt Corder, cientista-chefe da AURA no Chile e vice-diretor do NOIRLab, o centro da AURA que gerencia seus telescópios ópticos infravermelhos terrestres. "É o telescópio mais rápido e mais estável do mundo", acrescenta. E fica no Chile.

Outras notícias relacionadas
15 de fevereiro de 2024 #SustainableChile
13 de fevereiro de 2024 #ChileGlobal #ChileSustentável

Boletim informativo

Imagem do Chile