17 de maio de 2022 #SustainableChile

Dez empresas chilenas que colocam a reciclagem no centro de seus negócios

Configurações de acessibilidade

Das cerca de 20 toneladas de resíduos gerados no Chile a cada ano, apenas 22% são recuperados ou reciclados, e esse volume reciclado corresponde quase que totalmente a resíduos industriais. Aqui está uma série de empresas chilenas que têm a reciclagem como sua razão de ser, que buscam ser uma contribuição em si mesmas, mas também aumentar a conscientização sobre a necessidade de reduzir, reciclar e reutilizar.

De acordo com o último Relatório do Estado do Meio Ambiente do Ministério do Meio Ambiente, 19,6 milhões de toneladas de resíduos são gerados no Chile a cada ano. Desse total, apenas 22% são recuperados ou reciclados, embora o volume reciclado corresponda quase inteiramente a resíduos industriais.

Os resíduos são um problema enfrentado por todos os países do mundo. O Chile buscou recuperar o atraso em termos de reciclagem e, em 17 de maio de 2016, foi promulgada a Lei de Reciclagem e Responsabilidade Estendida do Produtor (REP), que busca reduzir a geração de resíduos e incentivar sua reutilização, reciclagem e outros tipos de recuperação. Isso, principalmente, ao tornar os fabricantes e importadores de determinados produtos prioritários responsáveis pela recuperação de uma porcentagem deles após o término de sua vida útil. Esses produtos prioritários são: óleos lubrificantes, equipamentos elétricos e eletrônicos, baterias, embalagens, pneus e pilhas. Esses produtos foram priorizados por apresentarem uma ou mais das seguintes características: consumo em massa, volume significativo de resíduos, resíduos perigosos, viabilidade de recuperação e existência de uma regulamentação de referência comparativa.

No Dia Mundial da Reciclagem, é fundamental estar ciente do que todos podem fazer. Descubra aqui uma série de empresas chilenas - desde startups incipientes até empresas consolidadas - que estão promovendo a reciclagem e inovando para tornar o Chile um país livre de resíduos .

TriCiclos: a maca é uma falha de projeto

Co-fundada em 2009 por Gonzalo Muñoz, Joaquín Arnolds e Manuel Díaz, a TriCiclos começou criando "puntos limpios", estações de triagem de materiais recicláveis que se espalharam por todo o Chile. Em 2011, tornou-se a primeira empresa a ser certificada como uma Empresa B fora da América do Norte. A TriCiclos busca resolver o problema urgente da geração de resíduos por meio de sistemas de gerenciamento de resíduos e consultoria, com o lema de que "o desperdício é uma falha de design". A empresa está presente em vários países da América Latina e conquistou reconhecimento internacional, como o prêmio "The Circulars" em 2019, o "Oscar" da economia circular, concedido pelo Fórum Econômico Mundial; além de ser escolhida em 2021 entre as "Best for the World", reconhecimento concedido pelo B Lab em nível internacional.

Reciclapp: o Uber da reciclagem

A startup Reciclapp é um aplicativo móvel que conecta qualquer pessoa que queira reciclar (indivíduos, empresas e comunidades) com recicladores que coletam o material por meio de 4 etapas simples: primeiro limpe e separe todos os resíduos, declare-os no aplicativo, agende a coleta e aguarde o reciclador. Além disso, os usuários ganham pontos "Recikarma" para trocar por produtos feitos de resíduos reciclados. Fundada em 2015 pelo engenheiro Cristián Lara, hoje conta com 50.000 usuários de diferentes cidades do Chile e recebeu apoio da Corfo, além de ser reconhecida pelo concurso AntofaEmprende.

Ecofibra: de Iquique, combatendo os resíduos têxteis

Diante da necessidade de lidar com a grande quantidade de resíduos têxteis que se acumulam no deserto da região de Tarapacá, em 2016 Franklin Zepeda criou a Ecofibra, uma startup que utiliza resíduos de roupas e tecidos para fabricar sacolas ecológicas, ecofibra isolante e painéis isolantes para a construção de casas, conseguindo assim uma redução de até 35% no consumo de eletricidade devido à redução do uso de calefação ou ar condicionado. Em 2021, eles reciclaram cerca de 400 toneladas de resíduos têxteis e estão preparando a instalação de uma fábrica em Santiago.

Futuroil: uma solução para o óleo lubrificante usado

Um litro de óleo lubrificante usado pode contaminar até 4 milhões de litros de água, de acordo com dados da Associação Nacional da Indústria de Reciclagem (ANIR). Para resolver esse problema, a empresa chilena Futuroil, criada em 1984, dedica-se à regeneração e ao rerrefino do óleo lubrificante usado, que é considerado um resíduo perigoso. A empresa, localizada no distrito de Lampa, na Região Metropolitana, é pioneira na reciclagem de óleo que é removido dos centros de serviço para extrair água e impurezas. O produto rerrefinado é distribuído em centros de serviço de Santiago a Punta Arenas. Eles recebem cerca de 3 milhões de litros de óleo usado por ano.

Armony: da mesa à assinatura

Há mais de 30 anos, a Armony se dedica à reciclagem e à transformação de resíduos orgânicos, como restos de comida de hotéis, cassinos e residências, em adubo para plantas, e paletes em cobertura morta (uma camada protetora que evita ervas daninhas e mantém as plantas úmidas). Isso é feito por meio de soluções tecnológicas sustentáveis, com um impacto triplo (econômico, social e ambiental), aproveitando ao máximo as matérias-primas. A fábrica recebe 8.000 caminhões de resíduos por ano para processamento. Em 2021, foi escolhida como uma das "Melhores para o Mundo", um prêmio internacional concedido pelo B Lab.

GreenSpot: dando novo valor ao plástico do sul

Essa empresa, localizada na região de Los Lagos, dedica-se a desenvolver produtos a partir de pellets feitos de resíduos plásticos de diferentes setores, como boias e flutuadores do setor de salmão e pesca. Desde 2017, a GreenSpot reciclou mais de 2 milhões de quilos de resíduos plásticos. Em 2021, foi escolhida como uma das "Melhores para o Mundo", um reconhecimento concedido pelo B Lab em nível internacional, além de ser reconhecida com o primeiro prêmio Asipla Sustentable 2021 (da indústria de plásticos em nível nacional). Em dezembro de 2021, a empresa se tornou uma subsidiária da Resiter, uma empresa chilena com 40 anos de experiência em gestão de resíduos e presença em cinco países da América Latina.

Sustrendlab: de pneus a baterias de íons de lítio

Localizado na região de Valparaíso, esse laboratório, criado em 2018 sob os auspícios da consultoria de sustentabilidade Sustrend, concentra-se na geração de soluções para a economia circular a partir de resíduos industriais. Os principais serviços do Sustrendlab se concentram no desenvolvimento de novos processos para a valorização de resíduos, desenvolvendo novas matérias-primas a partir de subprodutos para reintegrá-los em outra cadeia de produção. Uma de suas inovações revolucionárias é a reciclagem de pneus para obter grafite, que é usado para produzir baterias de íons de lítio, essenciais para a eletromobilidade.

Desafio ambiental: transformar plástico em madeira

Criada pela engenheira Anita Farfán e pela designer industrial María José Vargas em 2013, essa empresa começou moendo plástico e vendendo-o a empresas para processamento. Atualmente, eles se dedicam a processar resíduos plásticos e transformá-los em objetos e materiais de construção, divididos em quatro linhas: Everwood (sua marca mais importante), que fabrica madeira plástica para diferentes usos; AislaPET, uma fibra de isolamento semelhante ao vidro, pela qual receberam um prêmio da Corfo; Everplastic, produtos domésticos em pequena escala, como vasos de flores e bases para copos; e 3D con Sentido, impressão 3D de máscaras, próteses e suportes para celulares.

Raízes nativas: reciclagem de madeira e reintegração social

Ela resgata madeiras de lei para dar-lhes uma segunda vida nas mãos de detentos que aprendem a arte do artesanato na prisão, fabricando produtos com elas. Criada por Cristián Barahona, em San Fernando (região de O'Higgins), em 2019 a Raíz Nativo foi uma das vencedoras do prêmio Impulso Chileno, da Fundação Luksic. A madeira utilizada como matéria-prima é resgatada de desmontes, demolições ou mesmo do fundo de lagos do sul, para transformá-la em brindes institucionais, como mesas e saladeiras.

Bioils: óleos vegetais para o setor químico

Um litro de óleo de cozinha contamina 1.000 litros de água, permanecendo por anos nos mares e rios. Em resposta a esse problema, a Bioils coleta óleos vegetais usados, de Arica a Puerto Montt, de supermercados, restaurantes, hotéis, cassinos, entre outros, para acondicioná-los e transformá-los em insumos para a indústria química, que os utiliza na fabricação de sabões, detergentes, velas e óleos industriais. A empresa é hoje líder na reciclagem de óleos vegetais usados na América Latina, com seu centro de operações no Chile, de onde se expandiu para o Peru, Argentina, Colômbia e Equador.

Outras notícias relacionadas
03 de maio de 2024 #SustainableChile
May 03, 2024 #SustainableChile #Columns
02 de maio de 2024 #SustainableChile

Boletim informativo

Imagem do Chile