11 de junho de 2024 #ChileDiverse

Mulheres antárticas: seis histórias de mulheres chilenas no Continente Branco

Configurações de acessibilidade

Sessenta anos após a fundação do Instituto Antártico Chileno (INACH), uma instituição técnica que desenvolve pesquisas de qualidade, destacamos seis mulheres cujo trabalho, ciência e feitos estão relacionados ao território antártico. 

Pioneirismo em uma base na Antártica

Em 1997, Yasna Ordonez tornou-se a primeira mulher chilena a assumir o cargo de chefe de uma base antártica . "Isso me pegou de surpresa, porque essa função geralmente era exercida por homens, e foi porque eu lia todos os relatórios da expedição científica, e meu trabalho exigia que eu estivesse ciente de tudo o que acontecia na instituição. 

De chefe de divulgação no INACH, Yasna passou a liderar a base Professor Julio Escudero na Ilha Rei George, a principal instalação científica nacional na Antártica, onde foi responsável pela organização de todas as equipes durante a expedição daquele ano e pela resolução de emergências em um local com condições climáticas extremas e pouca conexão com o continente. 

A Ilha Rei George tem um valor importante em termos de colaboração científica internacional, hospedando bases no Chile, China, Rússia, Uruguai, Argentina, Coreia, Polônia, Peru e Brasil. Yasna trabalhou no INACH até 2016, quando se aposentou após 41 anos nesse serviço.

A "Sereia de Gelo 

A nadadora Bárbara Hernández quebrou um recorde mundial do Guinness em fevereiro de 2023 ao nadar 2,5 quilômetros no Oceano Antártico, sem roupa de mergulho e a uma temperatura de 2,2 graus Celsius. A façanha da chamada "Sereia do Gelo" foi realizada nas águas geladas da Base Naval Capitán Arturo Prat e, depois de completar o feito, ela enfrentou uma grave hipotermia. 

Sua intenção era chamar a atenção para esse território e aumentar a conscientização sobre o derretimento polar. "Estamos em uma corrida contra o tempo. Esse lugar precisa ser protegido, todo o nosso futuro depende dele", diz ela. Ela acrescenta que "a geografia da Antártica passou por mudanças significativas. Em lugares onde, há 15 anos, havia campos de gelo, agora há lama. Portanto, é fundamental garantir que ela se torne uma área marinha protegida o mais rápido possível.

Da sala de aula para a Antártica

Sofía Cerpa viajou para a Antártica quando estava na terceira série da Saint John's School em Rancagua. Em 2020, ela, juntamente com sua colega de classe Aracelli Galvez e seu professor Alex Catalán, enviou um projeto de pesquisa para a Feira Escolar Antártica, organizada pelo INACH, sobre os efeitos das mudanças climáticas no sistema imunológico dos pinguins. O prêmio que ganharam foi participar de uma expedição com alunos de Talca e Colina à base Julio Escudero na Ilha Rei George.

"Foi uma experiência inesquecível, passamos uma semana nesse lugar e acompanhamos os pesquisadores em serviço, foi uma tarefa educativa". Eles observaram animais, coletaram amostras de musgo antártico e navegaram até a geleira Collins. "Fiquei impressionado com o fato de que todas essas pessoas, de diferentes países e origens, estavam unidas pelo amor à ciência antártica" e "depois dessa viagem, decidi me dedicar à ciência, hoje estou no primeiro ano de medicina".

Especialista em logística polar 

Wendy Rubio é a encarregada de Operações do Departamento de Expedições do INACH há mais de uma década , onde é responsável por coordenar todos os movimentos na Antártica e fornecer o apoio necessário aos pesquisadores da Expedição Científica Antártica (ECA). Na última campanha, ela teve que mobilizar mais de 400 pessoas, de pesquisadores a pessoal de logística.

O engenheiro industrial também foi eleito em 2023 como um dos cinco vice-presidentes do Conselho de Gerentes de Programas Antárticos Nacionais (COMNAP), órgão internacional que reúne anualmente os países signatários do Tratado da Antártica. "A logística antártica é muito complexa, por isso tendemos a compartilhar experiências, como meios de transporte e informações que podem ser úteis, por exemplo, no resgate de pessoas ou na segurança.

Primeira mulher a liderar a base da FACH

Pela primeira vez na história, uma mulher assumiu a liderança da base antártica Gabriel González Videla entre novembro de 2023 e março de 2024. A quase 3.000 quilômetros do Polo Sul, a capitã Francisca Muñoz liderou um grupo de 14 pessoas, nove aviadores militares e cinco membros da marinha, durante quatro meses. 

"Meu avô materno era marinheiro e morou em Puerto Williams por muito tempo. Ela me mostrava fotos, contava histórias, e foi aí que nasceu a necessidade de viajar para a Antártica", diz ele. Os funcionários designados para a Antártica devem manter a presença nacional no território antártico chileno, realizar trabalhos de manutenção, apoiar a pesquisa científica e colaborar com as atividades da Marinha chilena no Escritório do Mestre do Porto de Bahía Paraíso.

"Durante minha estada na base, experimentei todos os climas em um dia, 24 horas de luz e fiquei maravilhado com a fauna", lembra Muñoz. O capitão está atualmente designado para o trabalho de coordenação e planejamento na base Frei, na Ilha Rei George.

Estudo da flora antártica

Com mais de 15 expedições ao continente branco, a ecofisiologista vegetal, acadêmica e pesquisadora da Universidade Católica de Temuco (UCT), Angélica Casanova, especializou-se na flora desse território e nos efeitos da mudança climática. Ela conseguiu demonstrar que "o aumento da temperatura favorece a reprodução de alguns organismos e sua adaptação", comprovando que "há um aumento nas populações de plantas devido ao recuo glacial" e que espécies como os líquens desaparecem devido às ondas de calor. 

Em sua opinião, o futuro da humanidade depende do que estamos fazendo para proteger as áreas polares. "O estudo da Antártica é muito importante, pois ela regula o clima do planeta. Sem a Antártica, a vida no mundo não seria viável, por isso precisamos treinar novas pessoas e trabalhar juntos.

Tags
Outras notícias relacionadas
20 de junho de 2024 #ChileDiverse

Boletim informativo

Imagem do Chile