19 de junho de 2024 #Colunas

Coluna : O Chile e o mundo: os determinantes do cerco

Configurações de acessibilidade

O Chile apóia o multilateralismo, mas aspira a um multilateralismo eficiente e atualizado, a partir do qual possa enfatizar a urgência de buscar soluções entre todos os países, grandes, médios e pequenos.

Coluna de Fernando Reyes Matta, ex-embaixador do Chile na China e diretor da Fundación Imagen de Chile.

O Presidente Lula não pôde comparecer, pois seu dever prioritário era estar com seu povo diante das graves enchentes que atingiram o sul do Brasil. É lamentável, pois um diálogo como esse entre o líder brasileiro e o Presidente Boric teria demonstrado a sensibilidade que eles têm em comum diante dos novos desafios que o planeta enfrenta.

Em dezembro passado, falando na COP28, Lula destacou que a humanidade está sofrendo com secas, inundações e ondas de calor cada vez mais extremas e frequentes. "A Amazônia está sofrendo uma das secas mais trágicas de sua história. No sul, tempestades e ciclones estão deixando um rastro de destruição e morte sem precedentes", enfatizou, acrescentando que "a ciência e a realidade nos mostram que desta vez a conta chegou mais cedo". A propósito, ele disse isso tendo em mente a COP 2025 na Amazônia, em Belém. Agora, há duas semanas, falando ao lado de António Guterres, Secretário Geral das Nações Unidas, Boric concordou, como vem fazendo, que o mundo de hoje precisa fazer política internacional com alta prioridade sobre o quanto a humanidade como um todo vive e sofre.

Naquela ocasião, ele observou que "hoje, como geração, estamos enfrentando dilemas existenciais" e, ao fazê-lo, deu sinais claros dos eixos dos quais provêm os determinantes de nossa política externa atual, porque é a Existência, em letras maiúsculas, que a humanidade está vendo ser sitiada por várias ameaças e complexidades.

Isso acontece com a democracia, com o desenvolvimento social, com as condições de vida no planeta, com o impacto irruptivo das mudanças digitais e da inteligência artificial. Essas são realidades diante das quais o Chile apoia o multilateralismo, mas aspira a um multilateralismo eficiente e atualizado, a partir do qual se enfatiza a urgência de buscar soluções entre todos - países grandes, médios e pequenos -, levando em conta as lógicas do Norte avançado, mas também as do Sul Global.

Agora, à medida que a terceira Mensagem Presidencial se aproxima, é possível que esse quadro de referência se torne mais visível ao falar sobre o papel do Chile no mundo de hoje. Mas para isso é preciso unir em uma nova narrativa vários fatos - os que vêm de antes e os explosivamente novos - sobre os quais se baseia uma plataforma de dimensão internacional que nem sempre vemos.

O Chile foi eleito para presidir o Conselho Econômico e Social das Nações Unidas para o período de 2023/2024 e todos concordam que a embaixadora Paula Narváez deu uma nova energia a essa entidade. O Congresso do Futuro oferece uma base de prestígio para influenciar a Cúpula do Futuro em setembro próximo, ao mesmo tempo em que começa a projetar seu trabalho além de suas fronteiras, o que aconteceu recentemente na Bolívia. A segunda Cúpula de Desenvolvimento Social está sendo preparada para 2025, sem esquecer que a primeira - em 1995 - foi uma iniciativa chilena promovida pelo então embaixador Juan Somavía. O compromisso com a defesa da Biodiversidade em Alto Mar tem o Chile como ator principal. E aqui estavam todas as mais altas autoridades das Nações Unidas em um Conselho Executivo liderado por António Guterres, Secretário Geral do órgão mundial. Pela primeira vez, eles quiseram realizar essa reunião estratégica na América Latina e escolheram o Chile para isso.

Mas, junto com esses eventos que poderiam ser considerados uma agenda clássica de política externa, há outros que determinam como o Chile participará da arena global a partir de uma perspectiva local. É o que surge quando se inauguram usinas de hidrogênio verde em Magallanes; quando se licita uma usina de dessalinização em Coquimbo; quando se iniciam as obras da usina fotovoltaica Gran Teno na região do Maule; quando se inaugura o maior sistema de armazenamento de energia renovável da América Latina em Antofagasta; e quando o Chile responde com bons técnicos e trabalhadores para instalar aqui os grandes observatórios astronômicos do mundo. É assim que o Chile está, a partir de diferentes áreas de ação, participando e promovendo uma agenda muito mais ligada ao século XXI do que aquela herdada dos confrontos do século XX.

Essa reunião no Chile de autoridades mundiais, como os chefes da Organização Internacional do Trabalho e da Organização Mundial da Saúde, ou os chefes da Organização Mundial do Comércio e da ONU Mulheres, entre outros, leva a uma pergunta de não menor importância: por que todos eles escolheram o Chile como o local para realizar sua reunião de coordenação máxima na América Latina pela primeira vez?

Os méritos decorrem de vários momentos da nossa história, com contribuições concretas feitas por grandes figuras da nossa diplomacia, mas também da sensibilidade inovadora que o Chile demonstrou após a pandemia para identificar onde estão as questões fundamentais, onde só há salvação com a cooperação e o diálogo entre todos. Caso contrário, como disse o Presidente do Chile, todos "afundam sozinhos".

Relembrando o importante livro do embaixador visionário Hernán Santa Cruz, Cooperar ou perecer: o dilema da comunidade mundial, o Presidente Boric destacou que essa máxima é totalmente válida. Ela surgiu em outros contextos, em outra ordem mundial, mas as realidades contemporâneas tornam a essência dessa frase ainda mais válida. Em outras palavras, a natureza global de uma humanidade que já ultrapassou a marca de 8 bilhões de habitantes interconectados é mais global do que nunca.

Paralelamente, na mesma semana, o Chile e a Unesco sediaram a 31ª Conferência do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. Seu lema foi claro sobre as questões em jogo: "Imprensa para o planeta: o jornalismo diante da crise ambiental". Na sessão de encerramento, o chanceler Alberto van Klaveren observou que "a comunidade internacional deve procurar ativamente proteger jornalistas e comunicadores em geral e aqueles que trabalham com questões ambientais em particular. Protegê-los é proteger nosso planeta. Sem o trabalho deles, será muito mais difícil ter uma cidadania devidamente informada sobre essa realidade".

Como a Unesco observou na véspera da reunião no Chile, "a crise climática e de biodiversidade afeta não apenas o meio ambiente e os ecossistemas, mas também a vida de bilhões de pessoas em todo o mundo. Suas histórias de perturbação e perda merecem ser conhecidas e compartilhadas. Elas nem sempre são agradáveis de assistir. Podem até ser perturbadoras. Mas somente conhecendo-as é possível agir. Expor a crise é o primeiro passo para solucioná-la.

No momento da síntese e das perspectivas que definem qualquer Mensagem Presidencial, vale a pena valorizar as palavras do próprio António Guterres, que entregou sua mensagem de La Moneda junto com o Presidente Boric. Ele disse: "O compromisso do Chile com a ação climática, a proteção da biodiversidade e dos oceanos e sua liderança em energia renovável exemplificam o caminho a seguir".

Ser um exemplo é uma honra, mas também uma obrigação. Em grande medida, o Chile está passando por um período de renovação nos eixos de sua política externa. Às vezes, devido à miopia de alguns ou à falta de comunicação sobre o conjunto de diversas ações que constituem um todo maior do que a soma de suas partes, o que somos e podemos ser não é apreciado localmente.

Quando o atual governo chegou ao poder, o fez com uma frase que pode ter soado como retórica ocasional: "O Chile precisa do mundo, o mundo precisa do Chile". Mas em seu conteúdo mais profundo há um compromisso maior: saber o que podemos receber do mundo que nos fortalecerá para o futuro; saber o que podemos dar ao mundo que contribuirá para uma humanidade melhor. Quando articularmos na análise as práticas que vêm de longa data na jornada internacional do país com aquelas que nascem das urgências planetárias de hoje, poderemos dizer que o Chile está no caminho certo.

Confira a coluna no site oficial do jornal El Mostrador. aqui.

Tags
Outras notícias relacionadas
Angelica_Valenzuela
June 05, 2024 #ChileDiverse #ChileGlobal #ChileSustainable #ChileColumns
May 03, 2024 #SustainableChile #Columns

Boletim informativo

Imagem do Chile