17 de maio de 2024 #SustainableChile

Cinco casos de inovação feminina no setor de reciclagem do Chile

Configurações de acessibilidade

No Dia Mundial da Reciclagem, empresárias e empreendedores de todo o Chile contam como a transformação de resíduos em novos produtos ajuda a conservar o meio ambiente e a mitigar as mudanças climáticas.

Isla Bonita em Chiloé

Quatro artesãs da Ilha Lemuy, em Chiloé, incorporam plástico reciclado à cestaria tradicional e promovem a economia circular. Dessa forma, a cooperativa Isla Bonita representa uma solução para a dificuldade de tratamento de resíduos na ilha e para o despejo ilegal nas praias. "Isso nos permite crescer como mulheres, desenvolver e mostrar às pessoas que os resíduos plásticos podem ser usados para outros fins", explica a artesã e recicladora María Catelicán (35). 

"Aprendia tecer manila com minha avó", diz María, e "essa fibra vegetal, típica dessa área e usada em cestas, nós a misturamos com plástico reciclado e fazemos cestas de pão e porta-copos". De acordo com a artesã, "quando os vizinhos veem os produtos, decidem entregar seus resíduos porque confiam que eles não irão para um aterro sanitário, sem dúvida o que fazemos tem um impacto em nossa comunidade". 

Mineração urbana da Midas Chile 

Reciclar metais valiosos que estão no lixo eletrônico é o que a mineração urbana faz."Transformamos o lixo, algo que um produtor precisa jogar fora ou que não é mais útil em uma casa, como uma geladeira ou uma máquina de lavar, em um novo recurso", diz Mitzy Lagos (42), Gerente de Economia Circular da Midas Chile. Ela acrescenta que o objetivo é "evitar a necessidade de extrair esses mesmos minerais da terra, com a consequente pegada ecológica".

A usina de reciclagem processa 25 toneladas de resíduos por dia. Depois de desmontar o equipamento, os metais são derretidos para obter lingotes de cobre, alumínio e bronze, que são exportados para a China, o Japão e os Estados Unidos. Mitzy Lagos diz que, nos últimos anos, "queríamos fazer mais e, por isso, iniciamos duas usinas fotovoltaicas. Somos os primeiros no Chile a gerar todos os nossos processos com energia limpa".

As joias dos plásticos 

Dar uma nova vida às sacolas plásticas de forma inovadora e artística é o objetivo da empresa de joias Plástica. De acordo com Constanza Calderón (33), uma de suas sócias, "é gratificante trabalhar em algo que ajuda o meio ambiente e transmite uma mensagem mobilizadora como a circularidade".

Durante anos, a mãe de Constanza, uma artista visual, trabalhou com plásticos reciclados até que elas decidiram abrir um negócio e fazer joias. Depois de coletar, separar e limpar o plástico, ele é derretido para ser trabalhado e, em seguida, por meio de ourivesaria, é unido a peças de prata para criar brincos e colares, a maioria dos quais é exclusiva.

Desierto Vestido de Alto Hospicio 

Angela Astudillo (27), juntamente com outros jovens, criou a organização Desierto Vestido para aumentar a conscientização sobre a poluição causada por resíduos têxteis em sua área de Alto Hospicio."A ideia é educar sobre o uso de resíduos têxteis, por isso organizamos oficinas em escolas, universidades e espaços públicos. Ensinamos como transformar peças de vestuário não utilizadas em novos produtos e falamos sobre o impacto que esses resíduos têm em nosso meio ambiente. Eles também colaboram em atividades, sendo que a última foi a Atacama Fashion Week, onde realizaram um desfile de moda em um dos maiores aterros sanitários da comuna. 

Angela também tem uma empresa de processamento têxtil, a Refiortex, que lhe permitiu pagar sua graduação em direito. Embora já tenha se formado na universidade, ela continuará a trabalhar nessa empresa e continuará a aumentar a conscientização sobre a necessidade de reutilizar as "montanhas" de roupas usadas descartadas no deserto chileno.

Tecido feito de garrafas plásticas

Com a Botela, Paula Madero (38) e seu sócio Arturo Vial criaram um negócio em que o consumo é consciente e responsável. Eles fabricam mochilas, bolsas de viagem, bolsas de ombro e camisetas com tecidos feitos de garrafas plásticas. "Compramos o tecido em branco de empresas que o reciclam na China ou nos Estados Unidos, e o imprimimos e fabricamos no Chile. Cada produto tem um logotipo que indica quantas garrafas pet foram usadas, uma banana requer três e uma mochila 22 garrafas de meio litro.

"A ideia é que nosso produto dure, por isso trabalhamos com um alto padrão de qualidade", explica Paula. Mas, se o produto quebrar, "nós o consertamos gratuitamente, porque incentivamos as pessoas a não comprarem novamente se o produto puder ser consertado".

Tags
Outras notícias relacionadas
June 05, 2024 #ChileDiverse #ChileGlobal #ChileSustainable #ChileColumns
03 de maio de 2024 #SustainableChile

Boletim informativo

Imagem do Chile